22.9.17

Jorge Salomão: "onde se esconde o selvagem coração?"



onde se esconde o selvagem coração?
na lata de lixo ou passeia de bonde?
na marginal ou na transversal?
o que fazer para achá-lo no baú do caos?
nas curvas ou nas linhas retas?
no sentido ou na percepção?
ah! confuso jeito de encarar o viver
como agulha no palheiro
procurá-lo, é fogo
se espalhando no campo
não há início nem meio nem fim
onde crepita alado esse coração?
que ventos são esses que sopram assim
mandando os barcos contra os rochedos?



SALOMÃO, Jorge. 
                                 Rio, 2017

21.9.17

Ricardo Silvestrin: "deus descansou"



deus descansou
e esse foi seu vacilo
achou que o jogo estava ganho
e o mundo então deu naquilo
deus lavou as mãos
disse se virem
já fiz a minha parte
pensam que é mole
tirar um mundo da cartola
se querem perfeito
nada feito
tô fora
e se foi pelo infinito
sem dar ouvidos
aos gritos
de deus do céu
deus nos proteja
deus nosso senhor
onde anda
por hoje o criador
pelo universo
de banda
gozando a aposentadoria
que ganhou em sete dias
fez um mundo imperfeito
mas bate no peito
e diz
se não gostarem
façam outro
devolução não aceito
já fiz o homem
à minha imagem e semelhança
pra continuar
no meu lugar
a lambança



SILVESTRIN, Ricardo. “deus descansou”. In:_____. Metal. Porto Alegre: Artes e Ofícios, 2013.

18.9.17

Octavio Paz: "Escritura"



Escritura

Yo dibujo estas letras
como el día dibuja sus imágenes
y sopra sobre ellas y no vuelve.



Escritura

Desenho estas letras
como o dia desenha suas imagens
e sopra sobre elas e não volta.




PAZ, Octavio. "Escritura". In:_____. Lo mejor de Octavio Paz. El fuego de cada día. Barcelona: Seix Barral, 1998.

15.9.17

Luís de Camões: "Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades"



Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
muda-se o ser, muda-se a confiança;
todo o mundo é composto de mudança,
tomando sempre novas qualidades.

Continuamente vemos novidades,
diferentes em tudo da esperança;
do mal ficam as mágoas na lembrança,
e do bem – se algum houve – as saudades.

O tempo cobre o chão de verde manto,
que já coberto foi de neve fria,
e enfim converte em choro o doce canto.

E, afora este mudar-se cada dia,
outra mudança faz de mor espanto:
Que não se muda já como soía.



CAMÕES, Luís. "Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades". In:_____. Lírica completa II. Sonetos. Lisboa: Imprensa Nacional; Casa da Moeda, 1980.

12.9.17

Antonio Carlos Secchin: "A gaveta"



A gaveta

A gaveta está trancada,
a chave levou Maria.
Nela guardados os planos
de quem já fui algum dia?
Decerto aí também mora
a linha da pescaria
que mirou no meu futuro,
mas errou a pontaria.
Desconheço se ela abriga
alguma mercadoria
dispondo de mais valor
que um pardal na ventania.
Mas por que agora eu escuto
numa quase litania
as vozes que dela saem
e se engrossam em gritaria?
Chamo então um bom chaveiro
da Europa, Olinda ou Bahia,
para arrombar a gaveta,
pois lá do fundo eu traria
a chave de algum passado
que aprisionado me espia.
Chega um e chegam dez
chaveiros em romaria.
A gaveta a todos eles,
um por um, derrotaria.
São bem fracos contra a força
e a resistência bravia
que a tal fechadura impõe
frente a tal cavalaria.
Na madrugada, cansado
pela perdida porfia,
percebo voando no ar
uma dúbia melodia.
Provém daquela gaveta:
ela afinal me induzia
a entrar sem maior esforço,
já que a mim se entregaria,
e dentro de si guardava
peça de imensa valia;
eu agora nem de chave
nem de nada carecia.
Conseguiu me convencer
com voz bastante macia,
e, pronto para apossar-me
da mais pura pedraria,
abri-a com a mão amante
de quem pisa em joalheria.
O tesouro acumulado
era a gaveta vazia.
Dois insetos passeavam
sobre a superfície fria.



SECCHIN, Antonio Carlos. "A gaveta". In:_____. Desdizer. Rio de Janeiro: Topbooks, 2017.




10.9.17

Ferreira Gullar: "Um pouco antes"



Agradeço a meu amigo Adriano Nunes por me ter lembrado que hoje Ferreira Gullar faria 87 anos. Viva Gullar!



Um pouco antes

Quando já não for possível encontrar-me
em nenhum ponto da cidade
ou do planeta
                    pensa
                            ao veres no horizonte
                            sobre o mar de Copacabana
                                                          uma nesga azul de céu
                    pensa que resta alguma coisa de mim
                    por aqui
                                Não te custará nada imaginar
                                que estou sorrindo ainda naquela nesga
                                azul celeste
                                pouco antes de dissipar-me para sempre




GULLAR, Ferreira. "Um pouco antes". In:_____. "Em alguma parte alguma". In:_____. Toda poesia. Rio de Janeiro: José Olympio, 2015.

8.9.17

Giuseppe Ungaretti: "Sereno" / "Céu claro": trad. de Geraldo Holanda Cavalcanti



Sereno

Bosco di Courton Iuglio 1918

Dopo tanta
nebbia
a una
a una
si svelano
le stelle.

Respiro
il fresco
che mi lascia
il colore del cielo,

mi riconosco
immagine
passeggera

Presa in un giro
immortale




Céu claro

Bosque de Courton, julho de 1018

Depois de tanta
névoa
uma
a uma
se desvelam
as estrelas

Respiro
o frescor
que me deixa
a cor do céu

Me reconheço
imagem
passageira

Presa de um ciclo
imortal



UNGARETTI, Giuseppe. "Sereno" / "Céu claro". In:_____. A alegria. Edição bilíngüe. Trad. de Geraldo Holanda Cavalcanti. Rio de Janeiro: Record, 2003.